Isenção de tributos pode permitir microgeração por 700 mil consumidores até 2024

Ir em baixo

Isenção de tributos pode permitir microgeração por 700 mil consumidores até 2024

Mensagem por PesNesi em Qua Maio 06, 2015 8:17 am

Cálculo da Aneel considera adesão de todos os estados a decisão do Confaz sobre ICMS
Sueli Montenegro, da Agência CanalEnergia, de Brasília, Regulação e Política

05/05/2015

A isenção do ICMS incidente sobre a energia devolvida à rede elétrica por meio de sistemas de microgeração distribuída pode incentivar a inclusão nesse mercado de 700 mil unidades consumidoras residenciais e comerciais até 2024. A estimativa feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica depende, porém, da adesão de todos os estados à decisão do Conselho Nacional de Política Fazendária que permite a cobrança do tributo somente sobre a diferença entre a energia consumida da distribuidora e a injetada na rede pelo consumidor. Aprovado no mês passado, o Convênio 16 do Confaz teve a adesão dos governos de São Paulo, Pernambuco e Goiás. Somados a Minas Gerais, que já aplica a desoneração do tributo para a microgeração solar fotovoltaica, esses estados respondem por 46% de todas as unidades consumidoras e da carga de energia elétrica do país.  

A Aneel aposta não apenas na adoção da regra pelas demais unidades da federação, como conta com a contrapartida do governo federal, por meio a isenção do PIS e da Cofins. “A sensação  que eu tenho é que eles tinham urgência de aprovar [o convênio], e talvez os secretários de fazenda dos estados tenham ficado em dúvida e optaram por deixar aqueles que tinham mais segurança aderir e os demais levarem  para consulta antes de haver a adesão”, disse o diretor da Aneel reguladora Tiago Correia.

Outra possibilidade para baratear ainda mais o custo de implantação dos sistemas de microgeração é a desoneração do tributo estadual também para equipamentos. A área técnica da Aneel calcula que é possível reduzir o tempo de retorno do investimento na instalação de placas fotovoltaicas de seis a sete anos para cinco anos. O público alvo é o consumidor a partir de 200 kWh\mês, que teria de instalar 1,5 kW pico ao custo de R$ 12 mil. Para atingir 3 kW pico, o suficiente para gerar 400 kWh\mês, a despesa ficaria em R$ 24 mil.

Uma proposta da Aneel para a revisão da Resolução  482, que trata das condições gerais de acesso da micro e da minigeração distribuída à rede de distribuição, ficará em audiência pública de 7 de maio a 22 de  junho. O assunto será discutido em duas reuniões públicas previstas para os dias 11 de junho, em São Paulo, e 18 do mesmo mês, em Brasília. O texto da Aneel pretende uniformizar e simplificar os critérios e os procedimentos usados pelas distribuidoras e reduzir pela metade o tempo de registro e aprovação dos contratos de conexão. Esses prazos chegam a  160 dias em média, no caso de obras de reforço.

Com a aprovação da norma do Confaz, a agência decidiu incluir na nova resolução condomínios residenciais e comerciais, que não terão mais seus investimentos em microgeração caracterizados como atividade de comercialização de energia. Outra inovação é a adequação do conceito de mini e de microgeração às normas de registro de empreendimentos. Pela  proposta, o conceito aplicado a empreendimentos com até 1 MW de capacidade instalada será estendido a toda a geração de fonte renovável até 5 MW, exceto para a fonte hidrelétrica, que passa de 1 MW para 3 MW. Com isso, esses empreendimentos podem ter simplificado o processo de aprovação da conexão e se tornarão elegíveis para a compensação de créditos – o net metering.

A Aneel considera importante a inclusão de shopping centers e supermercados.“Condominio é muito importante, principalmente shopping centers. Você tem uma área de telhado muito grande e é um grande consumidor de energia elétrica”, pondera Correia. Ele argumenta que esses consumidores têm uma tarifa fora de ponta entre R$ 400/MWh e R$ 450/MWh, e pagam, na ponta,  R$800 MWh. “Se ele conseguir instalar geração solar vai pagar mais barato e recuperar muito mais rápido que o consumidor residencial, porque tem a tarifa diferenciada.” Além de placas solares, outra possibilidade até mais viável para esse tipo de estabelecimento é a instalação de pequenas torres de produção de energia eólica no alto dos edifícios.

Mesmo para o consumidor residencial, o investimento, na visão do diretor da Aneel, seria vantajoso. O problema ainda é a concentração de renda no país, que dificulta a adesão de uma parcela da população. Correia lembra que a Aneel usou critérios conservadores para calcular o retorno do investimento, ao considerar o PLD Máximo, hoje na casa dos R$ 388/MWh, além de um cotação mais elevada do dólar na casa de R$ 3,20. “O consumidor que  instalar isso, virtualmente para de pagar a conta dele toda e vai pagar só a taxa de disponibilidade da rede de R$ 10 a R$ 15 por mês”, calcula.

Tiago Correia não descarta ainda a hipótese de financiamento com juros subsidiados, que ele considera possível como resultante de uma politica industrial do governo. Mas considera que a isenção de tributos já torna a instalação viável. “Não preciso de juros baixos, porque a taxa de remuneração é muito alta. Você está falando de um investimento em que os investidores privados conseguem ter retorno de mercado vendendo energia a R$ 250/MWh. E você vai receber essa energia ao preço de tarifa de distribuição, que é da ordem de R$ 450/Wh. Então, vale muito a pena. O problema é que você não tem dinheiro no bolso para iniciar, porque o valor é alto.”

PesNesi

Mensagens : 8
Data de inscrição : 28/03/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum