Confaz adia decisão sobre ICMS da energia solar

Ir em baixo

Confaz adia decisão sobre ICMS da energia solar Empty Confaz adia decisão sobre ICMS da energia solar

Mensagem por Joneson Carneiro em Dom Abr 12, 2015 8:53 pm

Confaz adia decisão sobre ICMS da energia solar

Por Alexandre Spatuzza em São Paulo  Friday, April 10 2015
Updated: Friday, April 10 2015
O Confaz, que se reuniu hoje em Goiânia, adiou a decisão de isentar ou não o ICMS sobre a geração de energia injetada na rede por equipamentos de microgeração para uma possível reunião extraordinária ainda a ser confirmada.
Os secretários da fazenda dos 27 estados que compõem o conselho, e que se reuniram em Goiana esta sexta, não tiveram tempo de apreciar a pauta técnica.

Segundo a assessoria de imprensa da secretaria de fazenda de Goiás, as discussões globais sobre a reforma do ICMS, inclusive com a presença do Ministro da Fazenda Joaquim Levy, tomaram todo o tempo de discussão.

“Agora o Confaz pode fazer uma reunião extraordinária para votar a pauta técnica, inclusive a tributação da microgeração, ou deixar para a próxima reunião trimestral”, informou a assessoria.

A expectativa do setor de energia solar e do ministro de minas e energia, Eduardo Braga, era que a isenção fosse aprovada hoje, pois existe consenso. Isto daria uma sinalização positiva para a nascente indústria solar nacional.


Fontes disseram que reunião poderá acontecer já na próxima semana.

Mas o Ministério da Fazenda não confirmou a decisão de fazer um reunião extraordinária.

“O tempo está passando, inclusive para a mobilização da micro e mini e micro geração no país ”, disse Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar). “A decisão do Confaz é essencial para consolidar o setor”.

O ministro Braga disse esta semana que espera a decisão para, inclusive, anunciar um programa nacional de fomento à microgeração - solar e de outras fontes - no segundo semestre.

Segundo a Absolar, a eliminação da cobrança do ICMS da energia gerada por painéis solares em empresas, comércios e residências reduziriam o tempo de retorno do investimento já que os créditos obtidos na injeção da energia na rede seriam mais atrativos. Hoje, o retorno pode levar oito anos ou mais de um investimento que gera entre R$10 mil e R$20 mil para sistemas residenciais.

Esta vantagem tributária aumentaria ainda mais os recentes ganhos de competitividade que resultaram dos aumentos na conta de luz e acelerariam ainda mais a instalação de painéis que decolou este ano.

Segundo a Aneel, o número de instalações de microgeração solar pela resolução 482 de 2012 da Aneel saltou 66%, de mais ou menos 300 unidades geradoras no final do ano passado para cerca de 496 hoje.

Com a demanda crescente e com os resultados dos leilões solares do ano passado, os fabricantes de módulos e painéis solares também estão esperando uma definição de incentivos fiscais para investirem no Brasil.

Sauaia, que tinha previsto cerca de 1000 unidades de microgeração fotovoltaica até o final do ano acredita que a isenção do ICMS, de tributos federais e a eliminação de gargalos de certificação técnica de inversores pelo INMETRO são chave para garantir o salto da fonte no Brasil.

“O interesse aumentou muito e deve haver muitos projetos represados”, disse. “Mas o adiamento na decisão parece não ter nada a ver com a energia solar em si e continuamos confiantes”.

Link
http://www.rechargenews.com/brasil/article1396809.ece
Joneson Carneiro
Joneson Carneiro

Mensagens : 30
Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 64
Localização : Cabo Frio

Ver perfil do usuário https://www.youtube.com/channel/UC6OXIEVkIOwTLOB8Pl_QjHQ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum